terça-feira, 9 de maio de 2017

A majestosa Inajá


"[...]. Entre as árvores de folhagem, leguminosas e bombáceas, que alteiam suas copas acima das vizinhas, erguem-se outras palmeiras: paxiúba (Iriartea exorrhiza), a majestosa inajá (Maximiliana regia), bacaba (Oenocarpus bacaba) e o esguio açaí (Euterpe oleracea), cujos frutos fornecem uma apreciada e nutritiva compota (doce) aos moradores do beiradão do Amazonas, que os pequenos moleques de cor anunciam aos gritos nas ruas do Pará e de Manaus.
Embora a vegetação seja tão rica de variedades, a vida animal é pobre. Pelo menos, do navio, não se vê quase nada dela. De vez em quando, voam araras, sempre aos pares, deixando suas belas cores brilhar ao sol. Incontáveis papagaios e periquitos enchem a floresta com seus gritos briguentos. Pequenos martins-pescadores acompanham o navio em certos trechos. Aqui e acolá, num galho seco da árvore, uma garça branca está espreitando o peixe, ou, espantada pelos estampidos da espingarda dos passageiros, plaina num voo majestoso diante do navio, para logo se apresentar de novo. Mas isto é tudo". Theodor Koch-Grünberg (1872-1924). Dois anos entre os indígenas - viagens no noroeste do Brasil (1903/1905). 2005. p. 24-25.



Palmeiras. Maximiliana regia ao centro.
A. D.  d´Orbigny. Voyage dans l´Amérique Méridionale, v. 7, n. 3, 1847.
 www.plantillustrations.org.


Nenhum comentário:

Postar um comentário