domingo, 9 de abril de 2017

A impressionante densidade da mata


"Ao escurecer a umidade era tanta que saía da mata uma densa cerração, como se fosse fumaça de algum incêndio no subosque. As folhas das árvores brilhavam ainda molhadas e o perfume das flores nas margens frequentemente nos atingia. É impressionante a densidade da mata neste trecho do Tiquié, onde ela já é bem mais alta, com árvores de grande porte, hospedando bromélias, orquídeas e aráceas, estas ligadas ao solo por longos e delgados cipós esbranquiçados. Nas margens é extremamente abundante a palmeira jauari, a qual denominei de sentinela da mata, com suas longas raízes elevadas em forma de cone, suas folhas quais bandeiras desfraldadas ao vento. Certos trechos da mata são tão densos que um pássaro teria dificuldade em penetrar ali. Pelo menos, foi isso que aconteceu a um jaó ou macuco que, num grande esforço, atravessou o rio, indo esbarrar com aquela massa verde na margem oposta e caiu de cheio n´água, divertindo aos que assistiram a cena". José Cândido M. Carvalho. Notas de viagem ao Rio Negro. Publicações Avulsas do Museu Nacional, Rio de Janeiro, n. 9, p. 36, 1952.


Bromelia bracteata.( Detalhe).
Sydney Parkinson ilustrações botânicas de espécies brasileiras na expedição de James Cook 1768-769. 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário